Após ser abandonada grávida, empresária dá a volta por cima e emprega ex-namorado: ‘Agora ele quer voltar’

A empresária paranaense Karoline Nascimento estava abandonada grávida, desempregada e com dois filhos para cuidar e alimentar, sem destino ou direção na vida.

Guerreira, forte e trabalhadora, ela voltou ao topo criando seu próprio negócio do zero, garantindo conforto e estabilidade para seus filhos.

De quebra, Karoline contratou o homem que a abandonou anos antes.

“[Hoje] ele é meu braço direito na empresa. Às vezes temos nossos conflitos, mas tudo dá certo no final. Somos muito parceiros.


Ele sempre fala que nasceu duas vezes: uma quando a mãe deu à luz e a outra quando segurei sua mão e não soltei, levando-o para trabalhar comigo, devolvendo-lhe a dignidade ”, disse Karol, que tem uma empresa do ramo de doces.

+  Doméstica que teve emprego negado em banco por ter ‘cara de pobre’ dá a volta por cima e hoje é juíza

Separação, aborto e a volta por cima

Foram anos de muita luta. Depois de se apaixonar por Anderson, ela decidiu que iria morar com ele, mesmo sabendo que ele era viciado em cocaína.

Devido ao vício, ela passou por momentos difíceis com o namorado. O relacionamento, já em frangalhos, acabou. Anderson era a única fonte de renda da casa.

+  Auxílio Emergencial: data para inicio dos pagamentos é divulgada e anima os brasileiros

Ao deixar Karol, ela o deixou à mercê do destino com seus dois filhos e uma gravidez. Mãe e filhos ficaram dois dias sem comer. Aos trancos e barrancos, ela conseguia todos os tipos de trabalho e fazia biscates pela cidade para garantir a alimentação dos mais pequenos.

Numa madrugada, Karoline sentiu fortes contrações, sangrou muito – ela pensou que fosse morrer. “Senti algo escapar da minha vagina. Sentei-me novamente, abri minhas pernas e quando me abaixei para olhar, vi as duas perninhas do bebê para fora. ” Nesse ponto de sua vida, o aborto foi mais um trauma difícil de curar.

+  Mãe busca filha em balada com cinto na mão no meio da multidão

“Os dias foram passando e me rendi a uma tristeza profunda, era uma dor que parecia que ia explodir dentro do meu peito. Fiquei dois dias sem trocar uma palavra, completamente silencioso. Eu apenas chorei.”



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário